MENU
PRODUTOS

Contato Comercial com Martins H2Tec Campinas SP - Atendimento das 8:00hs as 18:00hs

Toque para acessar

28/03/2006


O desperdício é uma das ações mais ameaçadores à reserva de água doce e potável em todo o planeta. Na Semana Nacional da Água, especialistas recomendam uma ampla campanha para conscientizar a população e evitar o uso indiscriminado do recurso antes que seja tarde, segundo a série especial de entrevistas feitas nesta semana pela Rádio Eldorado, uma das seis empresas do Grupo Estado.


O território brasileiro abriga cerca de 14% da água doce e potável do planeta, mas Gisela Damm Foratine, gerente de fiscalização ambiental da Agência Nacional de Água, que regulariza o produto, estima que o percentual será reduzido drasticamente nas próximas décadas. Para ela, as pessoas devem se conscientizar do problema e evitar o desperdício, antes que seja tarde.


Uma das soluções que podem ajudar no problema é a reutilização da água pelas empresas. A analista de marketing da Sabesp, Eliane Flório, afirmou que o setor industrial é o que mais se beneficia com o reaproveitamento da água. Segundo ela, a reciclagem, além de reduzir o custo para as empresas, melhora o meio ambiente. A analista alertou porém que a água não deve ser reaproveitada para consumo humano, mas em outras atividades, como resfriamento e lavagens de rua.


Na tentativa de ajudar a conter o desperdício da população, o governador Geraldo Alckmin promulgou no fim de 2005 a lei que cobra pela retirada em rios e poços de domínio do Estado. Rui Brasil, coordenador de recursos hídricos de São Paulo afirmou que o pagamento pelo uso da água servirá para investir nas bacias hidrográficas.


Aqüífero Guarani


A reserva do Aqüífero Guarani, um dos maiores mananciais de água subterrânea no mundo e que abastece oito Estados brasileiros, está quarenta metros mais baixa devido à captação para consumo público. Apesar disso, a gerente da divisão de qualidade do solo e águas subterrâneas da Cetesb, Dorothy Casarini, afirmou que o problema ocorre em locais isolados. Segundo ela, alguns municípios, como Ribeirão Preto, usam muitos poços abastecidos pelo aqüífero e não permitem a recarga natural.


Dorothy defendeu o mapeamento das cidades que utilizam poços abastecidos pelo Aqüífero Guarani e ressaltou que a medida pode promover um controle mais rígido das fontes de poluição nesses locais.

 

(Fonte: Agência Estado)

 

In: http://www.fatorgis.com.br/vernoticia.asp?cod=1608&orig=A2

(03/04/06)